Em crônica de 2014, Zarfeg parabeniza Begão, falecido ontem, aos 65 anos, em SP

 

Por Almir Zarfeg

 

Neto Chico parabeniza avô Begão

 

Meu cumpadi Begão está aniversariando hoje. Esse gerúndio é pra lá de esquisito, mesmo porque meu cumpadi merecia mesmo, de presente, a reeleição de Dilma Rousseff no 1º turno, de quem ele é fã de carteirinha. De coração e de ideologia.

Eu, que entendo um pouco das coisas do coração e da razão, temo que, nas atuais circunstâncias, o cumpadi terá que se contentar com outro presente, que tal 14 gotas do Água Preta? Vai uma cantoria de ClauduArte? Que tal um abraço fraterno de Bita de Itanhém?

Enquanto o ilustre aniversariante deste 3 de setembro decide entre os três presentes sugeridos acima, vamos, aqui e agora, apresentar o cumpadi Begão ao caro leitor:

Ele nasceu José Carlos Santos dos Reis, sendo, portanto, o "quarto capeta” (nas palavras carinhosas do mano Jomar Reis) do saudoso José Henrique dos Reis, que vem a ser uma das figuras mais representativas da história política itanheense.

Graças aos colegas da Agremiação Leal, "Carlinhos de Zé Henrique” ganhou o apelido de Begão, o mesmíssimo que eu conheceria, primeiro, através do cumpadi DuArte e, depois, nas páginas do extinto Traquejo. Nos dois casos, tomei conhecimento de Begão lendo as crônicas maravilhosas que ele dedicou à gente água-pretense.

Aliás, é preciso que eu repita que os escritos (crônicas e poemas) de Begão precisam ser registrados no Cartório de Títulos e Documentos da Comarca de Itanhém como patrimônio cultural do Povo Itanheense.

Só tive a honra de conhecer Begão, pessoalmente, durante a 1ª Festa dos Itanheenses Ausentes e Amigos (Fita) e a 2ª Janela Cultural, em janeiro de 2012, em Itanhém.

Antes desse encontro, trocamos e-mails, figurinhas e elogios. De início, eu o convidei para ser colunista do Traquejo, em seguida o levei para o Itanhemfest, tão logo nos tornamos coautores do livro "Rua José Henrique dos Reis” – e o que é mais importante: ficamos admiradores um do trabalho do outro, mútua e água-pretamente falando.

Meu ilustre cumpadi, amigo, poeta e cronista Begão, lamento, neste dia especial, não poder lhe oferecer o presente que você gostaria de ganhar, qual seja, a reeleição de Dilma no 1º turno. Talvez isso não seja possível nem no 2º turno, já que o rio não está para peixe. No entanto, desde já, você pode escolher um destes três presentes: 14 gotinhas da água preta, uma cantoria de DuArte ou um abraço afetuoso de Bitinha!

Enquanto isso, segue um caminhão modelo 62 repleto de votos (isso mesmo) de paz, alegria, saúde e muita, muita, inspiração.



Notícia Postada em 30/04/2018
Comente esta notícia: