Zarfeg celebra os 108 anos do nascimento de Sady Teixeira Lisboa com poema

 

Por ItanhemFest

Sady & Maria

Maria!

Canta mais uma bela cantiga!

Com jeito

Quem sabe tu não o consigas?



Sady!

Por favor neste momento não!

Pois

Preciso aliviar frágil coração!



Maria!

Não repitas coisa dessas não!

Qual

Remédio melhor que a canção?



Sady!

Meu bondoso e dedicado Dy!

Não vês

Que cuido da nossa Maridy?



Maria!

Perdão, minha querida Sula!

Agora

Vejo que acalentas a caçula!



Sady!

Tem paciência e apenas sorri!

Primeiro

Cuido dos nossos, depois de ti!



Maria!

Daqui jamais arredarei o pé!

Porque

Sou homem de sorte e de fé!



Sady!

Sei bem disso, meu senhor!

Grata,

Vivo plenamente esse amor!



Maria!

Disseste tudo, minha senhora!

Também

Sou feliz contigo nesta hora!



Sady!

Meu bom tecelão sentimental!

Nossa

Pequena é uma nota musical!



Maria!

Ave canora de Água Preta!

Então solta

A voz, minha maria-preta!



Sady!

Façamos a última seresta!

Que meu

Coração já está em festa!



Maria!

A deusa da minha rua –

Poesia! –

Deixa sem graça a lua...!



(Almir Zarfeg)



Notícia Postada em 06/04/2018
Comente esta notícia: