Sem terminar contagem, PF adia balanço de dinheiro apreendido

 

A Polícia Federal (PF) adiou para esta sexta-feira (6) o balanço da contagem de dinheiro apreendida na sede da empresa Arxo, em Santa Catarina. A equipe de policiais começou os trabalhos na quinta-feira (5) às 9h, mas o volume de dinheiro impediu que os número finais fossem conhecidos até o fim do dia. Até o último balanço parcial divulgado pela PF, haviam sido contabilizados quase 500 relógios de luxo e uma quantidade não estimada de recursos em espécie. As apreensões fazem parte da nona fase da operação Lava Jato, deflagrada pela manhã em quatro estados para cumprir 62 mandados. Um dos locais onde foram cumpridos mandados foi justamente a sede da Arxo em Piçarras. A empresa, que tinha negócios com a BR Distribuidora, é suspeita de estar envolvida em esquema de pagamento de propina. Sérgio Marçaneiro e Gilson João Pereira, executivos da empresa catarinense foram presos. Existe também um mandado de prisão temporária em nome de João Gualberto Pereira, que é sócio da Arxo. O departamento jurídico informou que ele está em uma viagem internacional. Há ainda uma mandado de prisão preventiva em aberto no nome de Mário Goes. A documentação apreendida na Arxo e em outras empresas foi remetido para a Superintendência da PF em Curitiba. Ainda conforme o balanço foram cumpridos todos os mandados previstos para as cidades de São Paulo e Salvador (BA). No Rio de Janeiro dois mandados deixaram de ser cumpridos porque os investigados não foram localizados – um de condução coercitiva, e um de prisão preventiva. Já em Santa Catarina apenas um mandado de prisão temporária que seria cumprido em Balneário Camboriú não foi cumprido. A pessoa está no exterior com previsão de retorno ao Brasil, segundo a PF. G1 Parana

Notícia Postada em 07/02/2015
Comente esta notícia: