Apagão atrapalha votação das contas do ex-prefeito Beto Pinto

 

Eram 18h20min quando um blackout interrompeu o andamento da sessão ordinária que trataria da aprovação ou rejeição das contas do ex-gestor Beto Pinto. Cerca de 450 pessoas que acompanhavam a sessão em um telão que foi instalado na Avenida Oscar Cardoso, gritou e deu vaias no momento do incidente, temendo ser tentativa de sabotagem na votação, uma vez que havia grande possibilidade da reprovação das contas. Numa conversa rápida com os demais colegas da mesa, o vereador e presidente da câmara, Hildo Brito, decidiu com os demais, que a reunião deveria continuar, mesmo que fosse a luz de velas. Rapidamente, um dos assessores daquela casa, providenciou um iluminador e colocou no centro do parlamento, e assim foi possível a sessão ser continuada. A vereadora Litinha, leu na integra o parecer de sua relatoria, e mesmo sem ajuda de equipamento sonoro e em meio a alguns murmúrios da plateia, conseguiu ser ouvida nitidamente por todos os seu colegas. Apesar disto, após a leitura da vereadora, o vereador Ney Garota pediu vistas do parecer, o que demandaria mais dias para a aprovação ou reprovação das contas. Imediatamente o presidente da casa, Hildo Brito, abriu votação entre os demais vereadores para que fosse decidido democraticamente e o pedido do vereador venceu por 5 a 4. Após isto houve certo bate boca entre alguns vereadores e a sessão foi encerrada para evitar que a confusão se estendesse a público e devido ao pedido do vereador Ney, ter sido acatado pela maioria. O população presente vaiava cada voto a favor do adiamento da votação. Porém, quatro vereadores dos que ali estavam, manifestaram publicamente suas opiniões contrárias às contas de Beto Pinto, do ano de 2011. Estes afirmaram que independentemente do dia da próxima reunião, as suas respectivas opiniões não mudaram, por dinheiro nenhum do mundo. São eles: Jonatas Gonçalves (PD do B), Jádina Paiva (PR), Laurentino Lacerda (PT do B) e Diran Cigano (PSDB). O vereador Chico da Vila foi o único que não compareceu a sessão. Antes de finalizar a sessão, o vereador Hildo Brito (Presidente da casa) informou a população de que ainda amanhã, (17/09) reunir-se-ia com a mesa diretora a fim de marcar a próxima sessão o mais rápido possível. Quatro minutos após o fim da sessão, a energia elétrica foi reestabelecida. A população desconfia veemente que o apagão foi tentativa de sabotagem. Duas guarnições da Polícia Militar sob o comando do Tenente Dorgival, esteve no local para garantir a segurança e a saída dos parlamentares do recinto e tudo ocorreu sem nenhuma agressão. Para ter as suas contas aprovadas Beto Pinto precisaria ter oito votos, dos onze vereadores daquela casa, o que representaria mais de dois terços e meio. Por Patrick Brito/liberdadenoticias

Notícia Postada em 17/09/2013
Comente esta notícia: