“Balaio de Gato”, de Jan Clésio Pires, será lançado nesta sexta-feira na Arte e Vida

 

Por A. Zarfeg


Liko Lisboa, Jan Clésio, Zarfeg e a mãe do escritor

O livro “Balaio de Gato”, de autoria do itanheense Jan Clésio Pires, será lançado hoje (13/4), a partir das 19h, na livraria e papelaria Arte Vida, no centro de Teixeira de Freitas. “Desde já, todos estão convidados para conhecer alguns causos e resenhas de Itanhém e sua gente”, disse o autor, com o seu jeito divertido de ser, contando desde já com a presença dos parentes, amigos e milhares de itanheenses que vivem na cidade.


Capa

O livro – publicado pela Editora Frama de Teixeira de Freitas (BA) e lançado em primeira mão na II Janela Cultural de Itanhém, em janeiro deste ano – traz registros marcantes das famosas gincanas culturais que fizeram tanto sucesso, nas décadas de 80 e 90 do século XX, em Itanhém. Além disso, conta a história política de Itanhém de maneira bem humorada. “Quem leu o livro deu muitas risadas, além de se informar bastante sobre Itanhém e os moradores”, disse o músico itanheense radicado em Teixeira de Freitas, Liko Lisboa. Realmente, Jan Clésio encontrou uma maneira original de narrar alguns dos acontecimentos marcantes da história de Itanhém, como as gincanas, as disputas políticas e os carnavais. E o faz de modo descontraído e hilário. Um exemplo é a narração da chegada de Sady Teixeira Lisboa à Vila de Água Preta, que depois receberia o nome de Itanhém. O autor nos dá uma fotografia bem humorada da época: “Sady já havia tentado a sorte em Almenara (cidade onde nasceu) e tempos depois em Águas Formosas. Foi aí que um dia, ouvindo a ‘Voz do Brasil’, ficou sabendo que a pequena Vila de Água Preta estava bombando. Tudo por causa de Simplício Binas, um desbravador, também mineiro, que havia começado por aqui um ambicioso programa de metas que, por ser tão trabalhoso foi apelidado de ‘60 anos em cinco’. Afinal, os jovens que aqui chegavam, trabalhavam com tanta dificuldade, dada a escassez de recursos, que em pouco tempo estavam com a aparência de idosos”.


Jan Clésio lança Balaio de Gato em Itanhém

Sady Teixeira Lisboa foi o primeiro prefeito de Itanhém, sendo reeleito para mais um mandato. Simplício Binas, o primeiro desbravador e, portanto, o fundador da cidade. O livro apresenta o divertido ABC da política de Itanhém. Vejam o texto que Jan Clésio dedicou ao vocábulo “Arena”: “Foi o primeiro nome ligado à política do qual ouvi falar quando ainda era menino, em Batinga [distrito de Itanhém], onde nasci. Era a ARENA (Aliança Renovadora Nacional). Na época eu, com cinco ou seis anos de idade, me confundia pois havia por lá um circo e eu sempre ouvia o locutor falar ‘E agora na arena do circo tal o palhaço tal’. Com o tempo pude perceber que não havia muita diferença entre a Arena da política e a arena do circo. Era tudo a mesma palhaçada”.


Público prestigia lançamento na II Janela Cultural de Itanhém

O livro traz também o “Jogo do bicho d’Água Preta”, em que o autor, com sua veia cômica de sempre, cita os bichos que passaram a denominar gente em Itanhém, como Aranha, Bentivi, Cocarzinho, Curiango, Jacaré, João Grilo, João Ratão, Manezim do Gavião, Minhocão, e assim por diante. Bentivi é ninguém menos que o atual prefeito de Itanhém. Além dos causos e histórias engraçados, “Balaio de Gato” está muito bem ilustrado com fotografias coloridas, inclusive de época. Registros fotográficos das gincanas culturais, dos carnavais e de alguns líderes políticos tornam o livro atrativo e, também, documental. Tudo tendo como pano de fundo o humor irresistível, e até implacável, de Jan Clésio, sempre atento a tudo e todos. Convidado a escrever a orelha da obra, registramos: “Assim, este ‘Balaio de Gato’ constitui uma contribuição e tanto para salvar Itanhém... Aqui tem humor, ironia e tiradas espirituosas. Tem também, sim senhor, sacadas inteligentes”.

Notícia Postada em 13/04/2012
Comente esta notícia: